Últimas:
  • Projeto de Hermano inclui… Oriundo de Projeto de Lei do deputado estadual Hermano Moras, foi aprovado nesta quarta-feira (13) na Assembleia Legislativa, a inclusão de 5% de produtos derivados…
  • Projeto de aleitamento materno… Aprovado por unanimidade em votação na Assembleia Legislativa, o projeto do deputado estadual Hermano Morais assegura a criança o direito ao aleitamento materno nos estabelecimentos de…
  • Projeto e Emenda de… Um Projeto de Lei do deputado estadual Hermano Morais e uma Emenda, também de sua autoria, a um projeto do governo, foram aprovados por unanimidade…
  • Bicentenário da congregação Marista… Os 200 anos do Colégio Marista no mundo e os 86 anos em terras potiguares foram homenageados durante solenidade na Assembleia Legislativa nesta segunda-feira (11).…
  • Congregação Marista será homenageada… Para celebrar uma das instituições educacionais mais importantes de nosso tempo, o deputado estadual Hermano Morais, como um de seus ex-alunos, será o propositor de…
Facebook Twitter Instagram

Projeto de Hermano inclui produtos derivados do caju na merenda escolar

Oriundo de Projeto de Lei do deputado estadual Hermano Moras, foi aprovado nesta quarta-feira (13) na Assembleia Legislativa, a inclusão de 5% de produtos derivados da cajucultura na merenda escolar fornecida aos estudantes da rede pública do Estado do Rio Grande do Norte durante o ano letivo.

O Projeto diz que os produtos derivado do caju deverão ser adquiridos da agricultura familiar, podendo ser de produtor individual, de associação ou de cooperativa. Ainda de acordo com o PL, fica o Poder Executivo autorizado a promover a capacitação dos produtores e suas famílias, na organização da produção e comercialização, através da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (EMATER) e da Empresa de Pesquisa Agropecuária (EMPARN).

A produção e a comercialização da castanha-de- caju in natura representam uma atividade tradicional na Região Nordeste, sobretudo nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Piauí, que são os principais produtores. A atividade oferece grande potencial para a geração de renda, emprego e desenvolvimento, tanto na propriedade rural quanto nas agroindústrias localizadas nas zonas urbanas.

Apesar de enfrentar alguns desafios, destacando-se a necessidade do aumento da produtividade com uso de tecnologia, visando crescimento da produção, a cajucultura no Rio Grande do Norte é de fundamental importância para o processo produtivo e sustentabilidade do setor rural potiguar.

O caju é formado pela castanha e pelo pedúnculo, ou falso fruto. Do pedúnculo, que contém de três a cinco vezes mais vitamina C que a laranja, além de cálcio, fósforo e outros nutrientes, pode ser obtida grande quantidade de produtos, a partir do processamento industrial ou mesmo de forma artesanal, destacando-se a produção de sucos, doces e desidratados, como também a sua larga utilização culinária na obtenção de pratos quentes e frios.

Já da castanha, além da amêndoa, que apresenta grande valor nutritivo e se constitui no principal produto da industrialização do caju, são obtidos o líquido da casca da castanha, a matéria-prima básica para a fabricação de vernizes, tintas, plásticos, lubrificantes, inseticidas, e o tanino, que é obtido da película da amêndoa, sendo utilizado com grande aplicação na indústria química.

Fator de desenvolvimento regional, do caju podem ser obtidos diversos produtos, como: suco integral; néctar; suco concentrado; refresco; cajuína; geleia; sorvetes; doce em massa; caju cristalizado; farinhas; doce em calda; rapadura; tortas; compotas; pães; recheios; biscoito; patês; passa de caju; hambúrguer e carne básica de caju para pastéis, moquecas, tortas salgadas, quibes, omeletes e outros pratos.

Rico em vitaminas, fibras e nutrientes, a inclusão do caju na merenda escolar da rede estadual de ensino pode melhorar os valores nutricionais da alimentação de nossos estudantes e promover o desenvolvimento local.

Projeto de aleitamento materno em público é aprovado na Assembleia

Aprovado por unanimidade em votação na Assembleia Legislativa, o projeto do deputado estadual Hermano Morais assegura a criança o direito ao aleitamento materno nos estabelecimentos de uso coletivo, públicos ou privados, no Estado do Rio Grande do Norte.

Independente da existência de áreas segregadas para o aleitamento, a amamentação é o ato livre e discricionário entre mãe e filho. De acordo com o PL, a infração acarretará ao infrator a aplicação de multa no valor de R$500, duplicada em caso de reincidência.

O ato de amamentar é de importância indiscutível para o bem estar da criança. São amplamente conhecidos os estudos que demonstram que a uma vida saudável começa no aleitamento materno, logo, torna-se obrigação do Estado, que é responsável pelo sistema de proteção integral à criança e ao adolescente, garantir que o aleitamento tenha todas as facilidades e não encontre embaraço em nosso país.

Não é razoável que em nome de alguns incomodados com a visão do seio materno durante o aleitamento haja prejuízo ao infante. Não se pode admitir que a pudicícia exagerada torne impossível às mães tranquilamente alimentarem as crianças em parques, praças, shoppings ou transportes públicos.

A vida urbana de há muito já incorporou esse hábito e nada há de ofensivo ou imoral no ato de amamentar um bebê em público. Para garantir que essa violência que causa constrangimento, atrapalha e até mesmo impede o aleitamento persista, é mister que se tipifique penalmente a conduta de todos que importunarem as mulheres lactantes.

A pena é branda, mas é importante que haja a repressão administrativa a fim de acender na consciência social a gravidade de tal ato, que jamais pode ser tolerado. Proteger eficazmente a criança que ainda se alimenta da mãe é obrigação constitucional do Estado.

 

Bicentenário da congregação Marista é homenageado na Assembleia Legislativa

Os 200 anos do Colégio Marista no mundo e os 86 anos em terras potiguares foram homenageados durante solenidade na Assembleia Legislativa nesta segunda-feira (11). Proposta pelo ex-aluno da congregação e deputado Hermano Morais (PMDB), a sessão solene reuniu gerações de alunos, diretores, coordenadores, professores, colaboradores, deputados e representantes da prefeitura do Natal.

Na abertura da sessão, o presidente da Casa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB), que também é ex-aluno, destacou a alegria em fazer parte da família Marista. “Sou feliz por estudar em uma instituição que nos formou e orientou para a vida. Continuo amando o colégio e torcendo para que permaneça com esse objetivo de preparar a juventude para o futuro”, declarou ele.

O deputado Hermano Morais disse que a Sessão Solene tem um sentido muito especial e fez um breve histórico sobre o período em que estudou na escola. “Estudei no Marista de Natal da 4ª série até o concluir o Ensino Médio. Foram oito anos inesquecíveis, compondo uma turma exemplar, sobretudo quando se fala em amizade. Amizade verdadeira. Estávamos ali para estudar, lógico. Mas, fortemente unidos, nos divertíamos, praticávamos esportes, apreciávamos a cultura e fortalecíamos os nossos laços, como se cada dia fosse o último de nossas vidas. Numa convivência fraterna, aproveitamos tudo o que a educação Marista nos proporcionava”, discursou Hermano Morais.

O parlamentar ressaltou a importância da formação dos contemporâneos de Colégio Marista. “Passados 38 anos de conclusão do curso, mantemos a nossa amizade, prezamos pela nossa convivência, promovemos encontros divertidos e rezamos juntos, graças ao advento da tecnologia e à nossa benquerença que em nenhum momento se perdeu, mesmo com tantos caminhos diferentes que a vida nos concedeu”.

Hermano Morais agradeceu aos diretores, coordenadores, professores e colaboradores pela missão que desenvolvem e fez um agradecimento especial ao diretor da época em que foi aluno, um dos homenageados na sessão, o Irmão Wellington Mousinho, educador e administrador.

Os deputados e ex-alunos Ricardo Motta (PSB), Larissa Rosado (PSB) e Jacó Jácome (PSD) fizeram questão de registrar o orgulho em fazer parte da família Marista. O deputado Ricardo Motta disse que carrega no sangue a história do colégio e seus filhos também passaram pela congregação. Na ocasião, ele lembrou de sua professora Almira Melo. Larissa Rosado falou sobre o elo da instituição com todos que fazem parte dela. “O Marista traz o sentimento de família e me considero como parte dela. Sou Marista de coração”. Jacó Jácome destacou que o Marista traz uma identidade que não se pode apagar. “O Marista é uma filosofia e estilo de vida”, disse ele.

Jorge Alberto Madruga falou em nome dos homenageados. Ele representou a Família Madruga, uma família tradicional do RN que apostou na educação Marista de tal forma que foi reconhecida e agraciada por ser a única família com 10 filhos matriculados ao mesmo tempo em um único colégio Marista no mundo. Emocionado, ele falou sobre os valores da instituição. “O Marista associa valores como educação, família e religião”, afirmou Jorge Alberto, chamando a atenção dos educadores para combater os excessos provocados pelas novas tecnologias.

Irmão José de Assis Elias de Brito falou em nome da Congregação. Ele é um jovem educador e empreendedor que, por meio de um trabalho inovador, vem conquistando, como atual Diretor, o reconhecimento de todos diante de um excelente resultado à frente do Colégio Santo Antônio Marista. Durante seu discurso, reconheceu e agradeceu a homenagem, além de reafirmar o compromisso da instituição com a família.

“Vivemos em 2017, tempo de graça e compromisso com os 200 anos do instituto Marista. A escola tem a missão de tornar Jesus conhecido e amado entre crianças, adolescentes e jovens. Marcelino Champagnat, fundador do Instituto, gerou uma comunidade de irmãos em defesa da educação e hoje reafirmamos nosso compromisso em formar bons cristãos e cidadãos”, disse Irmão Assis.

Também foram homenageados Antônio Lourenço de Aquino, que começou como um simples colaborador e chegou a ocupar um cargo de destaque na direção do colégio Santo Antônio Marista; Elizabeth Bezerra de Sousa, ou simplesmente Tia Beth, um exemplo de professora dedicada e querida, curada pela intercessão de São Marcelino Champagnat, um milagre que concorreu para sua santificação e Irmão José Getúlio Silveira, um educador missionário Marista que tem a humildade como sua marca.

Instituto Marista

O Instituto Marista nasceu na França, em 1817, fundado pelo Padre José Bento Marcelino Champagnat, que nasceu em 1789 e faleceu precocemente aos 51 anos de idade. O jovem sacerdote se dedicava à catequese, às visitas aos camponeses, à celebração de missas e à convivência fraterna, com crianças, jovens e adultos. Champagnat entendia a educação como meio privilegiado para a formação integral do ser humano e tinha grande devoção à Maria, a quem chamava de “Boa Mãe”.

Os primeiros trabalhos na congregação foram na atuação apostólica e educacional aos jovens do campo, que mais tarde se tornariam Irmãos Maristas. Champagnat ensinou-lhes a leitura, a escrita, a oração e a vivência do Evangelho e os transformou em educadores, comprometidos com a pedagogia, a espiritualidade apostólica e mariana, a missão e às formas de viver como Maristas de Champagnat.

Fonte: Assembleia RN

PL de Hermano que altera toponímia de Campo Grande, antigo Augusto Severo, é aprovado na Assembleia

Em votação no plenário da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, foi aprovado, por unanimidade, nesta quarta-feira (06), o Projeto de autoria do deputado estadual Hermano Morais que altera a toponímia do município de Augusto Severo para Campo Grande, nome atual do município.

A elaboração do projeto partiu da necessidade de concluir  o processo iniciado anos atrás e não devidamente concluído por falta de autorização legislativa, sanada com este projeto hoje aprovado. A mudança se fez necessária já que alguns órgãos públicos vinham adotando a duplicidade dos nomes, o que tem gerado confusão  e prejuízo para o município. 

Para a elaboração do projeto, o deputado Hermano foi inicialmente procurado pelo amigo Emídio Melo, que tem raízes em Campo Grande e posteriormente pelos vereadores Wagner e Nilson (presidente da Câmara).

Histórico

Desmembrado de Assu, o município de Campo Grande foi criado pela Lei nº 414, de 04 de setembro de 1858. Interesses políticos, entretanto, fizeram com que essa Lei fosse derrogada em 1868, passando Campo Grande a simples posição de distrito do recém- criado município de Caraúbas. A Lei nº 613, de 30 de março de 1870, restaurou o município com a denominação, de Triunfo, e, em 28 de agosto de 1903, a Lei nº 192 do Deputado Luís Pereira Tito Jácome, mudou o nome do município para Augusto Severo, em homenagem ao inventor do dirigível Pax.

No dia 6 de dezembro de 1991, após um plebiscito e através da Lei nº 155, conforme documentos em anexo, o município de Augusto Severo voltou ao seu antigo nome “Campo Grande”. Apesar disso, até hoje, o município é identificado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, como Augusto Severo (Código 2401305), mas na maioria dos órgãos e instituições do país, como Correios, Justiça Eleitoral, Caixa Econômica Federal, está cadastrado com o seu legítimo nome, ou seja Campo Grande.

Hermano Morais destacou que uma Representação da Câmara Municipal de Campo Grande, aprovada e enviada à Assembleia Legislativa, ressalta um fato relevante que é a identificação da população local com o nome de Campo Grande, sendo o nome essencial para a identificação cultural e política do povo da região.

“O projeto é importante para evitar problemas administrativos e dúvidas em relação a convênios federais, já que se não existir o reconhecimento por parte de alguns órgãos da União, o município fica prejudicado”, finalizou Hermano.

Hermano requer à SEEC construção de auditório em Escola Estadual no município de São José de Campestre

Diante de espaço disponível e área ociosa na Escola Estadual Diógenes da Cunha Lima, em São José de Campestre, o deputado estadual Hermano Morais requereu a Secretaria Estadual da Educação e da Cultura (SEEC) a construção de um auditório no local.

A referida escola possui aproximadamente 800 alunos no Ensino Fundamental II, Ensino Médio e EJA (Educação de Jovens e Adultos). Para atender as suas demandas pedagógicas e administrativas, a escola estadual citada precisa ser contemplada com a construção de uma sala de auditório.

Desta forma, está sendo solicitado ao Governo do Estado do Rio Grande do Norte e à SEEC, a construção deste espaço tão necessário que contemplará alunos e professores.

Hermano requer a Sethas implantação do Programa Café Cidadão em Currais Novos

O deputado estadual Hermano Morais requer a Secretaria de Estado do Trabalho – Sethas, a implantação do Programa Café Cidadão no município de Currais Novos.

Currais Novos é o maior município da microregião do Seridó Ocidental e o 9º mais populoso do Estado. São 45 mil habitantes, sendo 14,9% trabalhadores, segundo o IBGE.

Desta forma, atendendo a solicitação da população, a implantação do Programa Café Cidadão no município de Currais Novos tem o objetivo de melhorar a qualidade na alimentação do trabalhador de menor renda.

Diante do exposto, o deputado considera o pleito justo, merecendo total acolhida por parte desta Casa e rápida providência por parte dos agentes públicos responsáveis, aos quais se destina o presente requerimento.

Hermano participa de 3º Rastafé, em Guamaré

O deputado estadual Hermano Morais esteve no município de Guamaré neste domingo. O parlamentar participou do 3º Rastafé, evento católico puxado por um trio elétrico ao comando do padre Flávio.

Além do padre Flávio, estiveram presentes o prefeito Hélio Miranda e o vereador Edinor. Estima-se que 3 mil pessoas acompanharam o percurso que se encerrou na igreja matriz.

Antes do evento, Hermano esteve na casa dos pais do prefeito, Dona Maria e Sr.Mundinho e foi também na comunidade de Vila Maria, local onde se encerrou a cavalgada que teve início na parte da manhã.

Agenda pelo Seridó: Novena, Feira Agropecuária e Entrevista

O deputado estadual Hermano Morais cumpriu agenda na região do Seridó Potiguar desde a última sexta-feira (01), mais precisamente nas cidades de Jardim do Seridó e Parelhas.

No primeiro município, Hermano participou da novena de abertura das festividades de Nossa Senhora da Conceição, padroeira local. A celebração foi feita pelo padre Stanley e contou com as presenças da vereadora Andréa, seu esposo, o prefeito de Carnaúba dos Dantas, Gilson Dantas, e o ex-secretário de Turismo de Parelhas, Carlinhos Assis.

Logo após a novena, aconteceu o lançamento oficial da 4ª Feira de Agronegócios de Jardim do Seridó, que contou com a exposição de queijos artesanais, ação esta realizada graças ao projeto de lei de regulamentação da autoria do deputado. A organização foi feita pelo Sebrae.

No dia seguinte, o parlamentar esteve na Rádio Rural de Parelhas, onde concedeu entrevista aos comunicadores Joelma de Souza e Marcos Dantas durante o programa Mesa Redonda. Falou-se das ações do mandato na Assembleia Legislativa como o projeto dos queijos artesanais, luta em defesa da cajucultura, Rota do Cordeiro Potiguar, política partidária, entre outros assuntos.

Ouça abaixo a entrevista completa à Rádio Rural de Parelhas:

 

Projeto de lei prevê inclusão de produtos da cajucultura na merenda escolar

Um projeto de lei de autoria do deputado Hermano Morais deverá reforçar a cadeia produtiva da cajucultura, ao mesmo tempo em que também irá beneficiar alunos da rede pública de ensino do Rio Grande do Norte.

Pela ideia formulada pelo parlamentar, é proposta a inclusão de 5% de produtos derivados da cajucultura na merenda escolar da rede estadual.

Os produtos, além disso, precisam ser adquiridos através da agricultura familiar, podendo ser o produtor individual, de associação ou de cooperativa.

“Apesar de enfrentar alguns desafios, destacando-se a necessidade do aumento da produtividade com uso de tecnologia, visando crescimento da produção, a cajucultura no Rio Grande do Norte é de fundamental importância para o processo produtivo e sustentabilidade do setor rural potiguar”, destacou o deputado Hermano Morais.

Segundo dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, o Rio Grande do Norte conta com 92% do seu território situado na região semiárida, possuindo 126.585 hectares de cajueiro (IBGE, 2010), distribuídos em praticamente todas as regiões do estado.

Fonte: AssembleiaRN

Assembleia faz sessão solene alusiva aos 55 anos da regulamentação da profissão dos corretores de imóveis

Dentro das comemorações dos 55 anos da regulamentação da profissão dos corretores de imóveis, o deputado estadual Hermano Morais será o propositor de sessão solene na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte que concederá o Título de Cidadão Norte-Rio-Grandense a João Teodoro e Waldemir Bezerra. A referida cerimônia acontecerá nesta quinta-feira (30), a partir das 9h, no Plenário da Casa.

João Teodoro da Silva iniciou a carreira de corretor de imóveis em 1972 e atualmente é empresário do ramo da construção civil em Curitiba (PR). Graduado em Direito e Ciências Matemáticas, foi professor de Matemática, Física e Desenho na PUC/PR. É técnico em Edificações e em Processamento de Dados e possui diversos cursos de extensão universitária pela Fundação Getúlio Vargas. Foi presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Paraná – CRECI/PR por três mandatos consecutivos, presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis do Paraná de 1984 a 1986 e diretor da Federação do Comércio do Paraná.

Atuando desde 1991 no Conselho Federal de Corretores de Imóveis – COFECI, que é autarquia federal responsável por regulamentar e fiscalizar a profissão de corretor imobiliário no país, quando passou a exercer o cargo de conselheiro federal, é presidente da entidade desde o ano 2000.

João Teodoro nasceu no município de Primeiro de Maio, na Região Metropolitana de Londrina, mas foi criado em Maringá, no Paraná, tem 66 anos, é casado com Jucélia Laba Pereira da Silva, pai do engenheiro florestal Daros Augusto e avô de Olívia e Violeta.

Na presidência do Sistema Cofeci-Creci, João Teodoro se destaca por inúmeras conquistas alcançadas pela categoria e pelo empenho na busca da qualificação profissional dos corretores de imóveis, além da valorização da profissão de corretor de imóveis, a aproximação entre o corretor e a sociedade, como um parceiro do consumidor, e a realização de ações para a projeção do mercado imobiliário brasileiro no exterior.

No Rio Grande do Norte, o presidente do COFECI foi responsável pela aquisição do atual prédio da sede própria do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Rio Grande do Norte (Creci-RN), localizado na Rua Mirabeau da Cunha Melo, 1924, Candelária, com 900m² de terreno e 700m² de área construída, tendo reformado a sede própria do Creci em Natal, com auditório totalmente climatizado com capacidade para 100 pessoas. Além disso, foi adquirido terreno anexo a sede própria, que futuramente servirá para ampliar as atuais instalações para melhor servir a sociedade com os serviços de atendimento ao público e aos corretores de imóveis da Grande Natal.

Foi, ainda por intermédio do presidente do Cofeci, que foi instalada a delegacia Regional do Creci na cidade de Mossoró, ocupando 2 salas, no Shopping Oasis, instalações e um mini auditório com capacidade para 20 pessoas, que atende os corretores de imóveis a cidade e Oeste Potiguar.

Os corretores de imóveis potiguares têm contado com ações constantes de capacitação em que recebe a parceria do Cofeci para a promoção de eventos com renomados profissionais dos mais diversos segmentos para realização de palestras e treinamentos no Creci e na delegacia Regional de Mossoró.

O Presidente do Cofeci tem apoiado as ações do Creci/RN em campanhas de valorização do profissional e em defesa da sociedade potiguar, prestando assim relevantes serviços de interesses da sociedade norte-rio- grandense e garantido a participação desde 2004 até 2010 do Creci-RN através de seus corretores de imóveis em eventos internacionais, notadamente nos salões imobiliários de Lisboa, Porto, Madrid, Barcelona, Utrecht, Londres, workshops em embaixadas brasileiras nas cidades de Milão e Haia, apresentando o RN e Natal como destinos para investimentos internacionais nas áreas de resorts e segunda moradia para europeus.

Por todas essas ações, a formação profissional e divulgação da atividade tem elevado o número de corretores de imóveis no estado, que hoje representa aproximadamente 6.500 pessoas físicas e 700 pessoas jurídicas instaladas que empregam mais de 10 mil potiguares, nas atividades diretas do mercado imobiliário, gerando mais emprego e renda para o Rio Grande do Norte.

Waldemir Bezerra

Nascido em Recife-PE, Waldemir Bezzera de Figueiredo é médico e corretor de imóveis, casado e pai de cinco filhos.

Em abril de 1975 inicia a atividade de corretor de imóveis, trabalhando nas imobiliárias Vivenda Imóveis e Ferreira Imóveis. Em junho deste mesmo ano começa em escritório próprio, com o nome Bezerra Imóveis, situado na rua professor Zuza, na Cidade Alta, Até hoje, a imobiliária está em atuação no mercado local, com sede em Ponta Negra e prestes a inaugurar um novo espaço em Lagoa Nova.

É Conselheiro fundador do CRECI/RN, onde exerceu diversas funções desde 1979, a saber: conselheiro suplente, conselheiro efetivo, presidente da comissão de ética, 2º vice-presidente e presidente.

É Conselheiro Federal e membro da Comissão de Elaboração, de Resoluções e Projetos do Conselho Federal dos Corretores de Imóveis (COFECI).

O quê? Título de Cidadão Norte-Rio-Grandense a João Teodoro e Waldemir Bezerra

Quando? Quinta-feira (30)

Onde? Plenário Clóvis Motta, Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte

Horário? 9h